quarta-feira, 3 de abril de 2019

A segunda vida de Francisco de Assis, de José Saramago


Resultado de imagem para a segunda vida de francisco de assis


Começo por aconselhar a leitura deste livro, pois é muito interessante pelo facto de contar a história da vida de um santo.
A segunda vida de Francisco de Assis é da autoria de José Saramago. Este livro é um texto de teatro onde se apresenta a história de um santo, Francisco de Assis.
Inicialmente, encontram-se em cena o presidente da empresa e os membros do conselho a discutir sobre o que devem ou não fazer para melhorar o gráfico. Estão "sobre a mesa" duas hipóteses: melhorar o produto ou preparar-se os agentes. Assim se entra no mundo da "política", segundo José Saramago.
Passado um tempo, Francisco de Assis, que se encontra supostamente morto, reaparece diante a sua mãe e mais tarde às restantes pessoas. À medida que o tempo passa, vai tentando destruir a companhia, pois esta estava rica e, como fundador da mesma, queria voltar a fazer o que fazia, ou seja, ajudar os pobres e não acumular riqueza.
Com esta peça, José Saramago faz mais uma crítica à Igreja Católica: a companhia de S. Fancisco de Assis é a própria Igreja, que não pratica os princípios de solidariedade e de generosidade pregados por Jesus Cristo, da mesma forma que a companhia, em vez de ajudar os pobres, enriquecera.
É de salientar que Francisco de Assis foi um frade católico da Itália. Depois de uma juventude irrequieta e mundana, voltou-se para a vida religiosa de completa pobreza, fundando a ordem mendicante dos frades Menores, mais conhecidos como Franciscanos.

segunda-feira, 11 de março de 2019

Auto da Índia, de Gil Vicente

Auto da Índia

                                                     

Este livro de Gil Vicente intitula-se  Auto da Índia. É um livro de teatro e é a primeira farsa deste autor tal como a primeira da literatura portuguesa.
Esta farsa foi representada pela primeira vez em 1509, em Almada, perante a rainha D. Leonor. 
Este auto começa por nos apresentar a Ama, cujo marido partira numa embarcação à procura de fortuna, embarcação esta cujo retorno não era esperado. Assim, na ausência do marido, a Ama mantém relações extraconjugais com dois amantes: enquanto estava com um, o outro esperava do lado de fora da janela ou na cozinha, alternadamente. A Moça é uma personagem importante desta farsa, pois tem o papel de confidente e cúmplice de Constança (Ama): é ela quem guarda segredo das relações que a Ama mantém com outros homens e também é ela quem a avisa que a embarcação estava de regresso e que o seu marido estava vivo. Ouvindo isto, a Ama manda os seus amantes embora, apesar de contrariada. Assim, ela enche-se de  uma falsa felicidade e recebe o seu marido com enorme alegria, dizendo-lhe que, na sua ausência, sofrera tanto que nem comera e que tinha sentido imenso a sua falta. Por seu lado, o marido, que voltara sem ter alcançado a riqueza ambicionada, conta as dificuldades por que tinha passado no Oriente. E assim o casal prosseguiu a sua vida como nada tivesse acontecido.
Recomendo vivamente este livro . Talvez tenha sido o de que mais gostei até agora, devido ao seu enredo. 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

                                                      Resultado de imagem para caim josé saramago
     
   O livro cujo título é Caim é da autoria de José Saramago. É um romance onde o autor utiliza uma linguagem satírica e irónica para ridicularizar e desrespeitar a Bíblia.
   O tema deste romance é o confronto ético-moral entre Deus e Caim, assassino de Abel, como relata a Bíblia. Este livro contém momentos históricos da Bíblia como: a criação do mundo, o pecado de Adão e Eva, a expulsão do paraíso, o sacrifício do filho por Abraão.
   Nesta obra podemos observar uma contradição no comportamento do fratricida, pois, apesar de este ter matado o seu irmão por inveja, ele questiona-se sobre o porquê das mortes de crianças inocentes e salva Isaac de ser sacrificado por seu pai.
   Gostei deste livro, pois faz-nos ver a Bíblia de uma maneira mais engraçada, devido à sátira e ao sarcasmo presentes.

Aparição- Vergílio Ferreira

                                              Aparição


A Aparição é um livro da autoria de Vergílio Ferreira, é um romance publicado pela primeira vez em 1959. Este livro começa com a chegada de um novo homem a Évora, trazendo consigo o prenúncio da tragédia.
Alberto Soares é o personagem principal desta obra, é ele quem chega a Évora como novo professor do liceu. Ele é um homem que está de luto, até me arrisco a dizer que ele é um pouco sombrio, porque ainda se está a recompor da morte do pai. Ele, com os seus "demónios", acaba de chegar a uma cidade cheia de "luz", o que faz perceber que a sua relação com a cidade não será fácil. Pela sua jornada, ele irá deparar-se com várias mortes, como também com a sociedade fechada daquela época, repleta de várias classes sociais de uma pequena cidade onde ainda se podia dizer que havia fascismo. Com isto, o personagem irá colocar em causa a relação do homem com o mundo/existência. Em 1959 ainda havia o espectro da II Guerra Mundial, encontrando-se o homem completamente "só", buscando apenas o sentido da vida. Neste livro, Vergílio Ferreira torna-se um intérprete dessa interrogação existencial, relativa ao valor e ao sentido da vida.
Eu recomendo a leitura deste livro, pois faz-nos ter um pensamento mais profundo sobre a existência. 

As Pupilas do senhor Reitor

As Pupilas do Senhor Reitor



As Pupilas do Senhor Reitor é uma obra que retrata não só o modo de vida do séc. XIX mas também o modo de amar daquela época, muito diferente do modo de amar dos dias de hoje.
Júlio Dinis insere a sua obra num Portugal onde a igreja comandava tudo, desde o ensino dos filhos mais novos à vida de todos aqueles que eram considerados "pecadores", conferindo-lhe as suas sentenças e decidindo com quem cada qual deveria casar.
Esta obra conta-nos as aventuras e desventuras de dois jovens, Daniel e Margarida , dois apaixonados que, por ironia do destino, a vida achou-se no direito de separar .
Daniel um jovem considerado "demasiado fraco para a vida no campo" e é enviado para o Reitor (padre António) para se preparar para a vida de seminarista. No entanto, mais tarde, o Reitor sugere a sua ida para o Porto, para que este se torne um grande cirurgião . Margarida, uma  jovem pastorinha cuja vida nunca lhe fora generosa, é órfã de pai e mãe,  e responsável pela sua irmã mais nova, Clara. Ambas são deixadas aos cuidados do sr. Reitor, que as educa, sendo que mais tarde Margarida prossegue nos estudos, tornando-se professora.
É  ainda na infância que Daniel e Margarida desenvolvem uma paixão um pelo outro, o que desagrada ao senhor Reitor, que pretendia fazer de Daniel padre. Esta paixão acaba por ser desfeita com a ida de Daniel para o Porto para estudar Medicina.
Neste contexto de separação entre os apaixonados surge um desenrolar a nível amoroso meio conturbado entre Pedro e Clara, o irmão mais velho de Daniel e a irmã de Margarida. Nisto dá-se o retorno de Daniel à província, retornando com ele os velhos sentimentos de Margarida, deixados para trás há dez anos.
É neste meio termo de busca pela sua amada que que iniciam as aventuras e desventuras dos jovens casais na busca pelo amor e pela aprovação do Sr. Reitor para que se pudessem casar de acordo com a bênção de Deus.
Júlio Dinis, enquanto escritor, caracteriza-se principalmente pela busca de um típico happy ending em todas as suas obras, em conjunto com uma religiosidade e um carácter  moralizador, sendo que este apela à bondade, ao sacrifício pessoal, conferindo um certo drama à obra, bem como um suspense, incitando o leitor a querer chegar ao final da obra de modo a saber todo o enredo da mesma, só descansando quando termina.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Que farei com este livro? - José Saramago






Resultado de imagem para que farei com este livro? jose saramago
                                         
                                                

  O livro que li tem como título Que farei com este livro? e é da auditoria de José Saramago. É um texto dramático, onde José Saramago usa como título a pergunta feita por Camões ao contemplar a sua obra Os Lusíadas, por fim impressa.
  Foi esta pergunta que induziu José Saramago a escrever uma peça de teatro cuja ação decorre em Almeirim e Lisboa entre abril de 1570 e março de 1572, após a chegada de Luís de Camões a Lisboa, vindo da Índia e Moçambique.
   O livro conta com a participação de personagens históricas importantes daquela época.
   Em suma, gostei muito do livro, pois fiquei a conhecer os obstáculos que Camões teve de superar para publicar a sua grande obra. Recomendo este livro aos amantes da história nacional e àqueles que se interessam por textos dramáticos.
   Por curiosidade, a caligrafia que a capa apresenta é a do fadista Carlos do Carmo.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Don Giovanni ou O dissoluto absolvido, de José Saramago





Na obra, Don Giovanni é condenado ao inferno por ter seduzido 2065 mulheres, daí que o objecto da obra são os actos humanos considerados pecaminosos. O Comendador, depois de ser morto por Don Giovanni, aparece na casa dele em forma de estátua para o mandar para o inferno, mas não teve sucesso. Depois de saber o que Don Giovanni fez a seu pai, Dona Ana juntamente com seu marido Don Octávio e sua amiga Dona Elvira foi à casa dele. Para se livrar daquela situação, Don Giovanni matou Don Octávio, ficando sozinho na casa. É surpreendente, no entanto, que Don Giovanni não tenha um final triste, pois este fica com Zerlina, a mulher de Masetto.
Particularmente gosto do livro, pois retrata de como o ser humano tenta sempre achar uma saída para as causas das suas acções de forma fácil e cruel.